quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL!!!!!!!!


Feliz Natal!!!!!!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Divulgando Amigos

Lembranças de Areia-PB
Balneário de Furnas_30/10/2011

Fragmentos Sinceros de Vida
Simone Barreto


O alto canta,
A esperança encanta, trazendo o melhor da vida,
A humildade é sua essência,
Para que riqueza?
A saúde é tudo que temos!
A vida e sua simplicidade andam de mãos dadas,
Juntas, fidelidade!
Temos um caminho a seguir,
Uma missão a cumprir,
Viemos com ela antes de nossa existência,
Sabedoria Divina,
Sempre uma eterna criança.
Viva em nosso coração,
Algo que guardamos em nosso ser,
Ao qual amamentamos a vida inteira,
E que nunca se cansa.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Show beneficente em prol do violonista Elpídio Ferreira, o grande Violão de 7 Cordas



Janine Maia e Lúcia Helena Maia convidam a todos os areienses para um show beneficente em prol do nosso artista Elpídio Ferreira, que passou recentemente por uma delicada cirurgia de vesícula e está momentaneamente impossibilitado de tocar seu Violão de 7 Cordas.
O show acontecerá no Cariocando Bar, dia 15/12 (Quinta), à partir das 20h, com Hugo Leão, Geffe Guimarães e Amigos.
O Ingresso custa apenas R$ 10,00 (Dez Reais) e pode ser adquirido com Lúcia Maia e Taluã no telefone (83) 8845-4731, ou no Cariocando Bar que fica na Av. João Maurício, 2011, praia do Bessa, João Pessoa.
Na ocasião, o CD de Elpídio estará à venda por R$ 15,00 (Quinze Reais).

Amigos e fãs de Elpídio se mobilizam para ajudar o artista nesse momento e estão fazendo doações através da conta bancária de sua filha.

Nome: Edileuza dos Santos Melo
Conta Corrente: 33822-2
Agência: 1617-9
Banco: Banco do Brasil S/A

Agradecemos antecipadamente aos amigos a solidariedade em prol de um artista que está, no momento, impedido de realizar suas funções.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

ESTAMOS COM FOME DE AMOR E CARINHO.

Texto de Antonio Claudio Maia
Correspondente Carioca do Blog de Ana Clara Maia
Texto Complementar de Arnaldo Jabor

“Você poderá arrancar as minhas unhas, me pendurar no pau-de-arara, dar choque em meus genitais, mas meu cérebro e minhas idéias estão totalmente fora de sua capacidade de entender.
Somente meu corpo está ao alcance de sua ignorância humana e social.”

“Prefiro o derradeiro momento pela bala de um fuzil, do que ver meu povo sendo eliminado pela caneta irresponsável de um ego que governa.”

Frases fortes e de efeito, com apelo moral, social e político que caracterizam a tentativa de materializar os sentimentos entre o gênero humano nos mais diversos cantos do mundo, tão qual eram os discursos inflamados de Lênin na antiga Rússia, na tentativa de formatar e mobilizar homens e idéias, já estamos até acostumados em leituras diversas sobre a história da humanidade.

O que fica mais estranho de se compreender é esse mesmo gênero humano tentar formatar a si mesmo em busca de um isolamento, tendo como premissa a auto-gestão de seus sentimentos, numa utópica corrente comportamental moderna.

Enquanto as fontes de informação nos favorecem em florescer novas idéias e nos despertam para novos sentimentos através do poder solidário da globalização, nos ajudando mutuamente a identificar em que lugar do mundo poderemos ser mais úteis objetivando a sobrevivência humana e do planeta, outros tantos ignoram solenemente nossas raízes oriundas do sentimento.

Podemos inclusive fazer uso de algumas assertivas de Nietzsche, em relação a opção totalmente voluntária de algumas pessoas de ficarem sós e olharem exclusivamente para seus umbigos. Nietzsche assim dizia: “Quanto mais me aproximo do saber do Ego, mais me distancio da essência”.

Até a dinâmica das células biológicas se agregam buscando os pares ou grupamentos, mas os seres humanos atuais, aqueles que conseguem caminhar na frente dos ponteiros dos relógios, aqueles que batem metas, aqueles super torneados em academias e marombados como os antigos “Adônis” gregos, esses cada vez mais vazios e robotizados, desagregados por opção, contrariando a ciência ou a religião.

Não se está aqui discutindo a Etimologia, Semântica e Semiótica, o Signo, o Significante ou o Significado, estamos aqui falando de Mentes, Pensamentos, Idéias, Carinhos e Sentimentos, sentimentos humanos, necessidade de sobrevivência, associação com sua própria espécie, social ou amorosa.

Roland Barthes, escritor, sociólogo e filósofo francês, um homem que criticava conceitos absolutos, complexos e insensíveis que circulavam na sociedade e centros de educação franceses, em sua obra de 1977, “Fragmentos de Um Discurso Amoroso”, dá uma resposta a seus contemporâneos, que haviam marginalizado completamente a linguagem do amor de sua esfera do pensamento, das suas concepções artísticas, culturais ou científicas. Ela era reputada como algo pertencente a um passado sentimental, sendo portanto segregada por aqueles que se diziam modernos.
Roland Barthes realça todo o tempero de aproximação humana voltado ao sentimento, buscadores de relações simples e duradouras, sem plastificar idéias e corpos, motivando os olhares, o toque, o maneio gestual, o cheiro, o rosto com rosto, um braço encostado em outro braço, as mãos entrelaçadas e o mesmo olhar para o universo daqueles dois num só ser; o gozo como conseqüência, era pleno e duradouro.

Ou seja: sai fora tesão cego e egoísta, orgasmos mecânicos e materialistas, pensamentos dominadores com hora marcada de ir ao salão, à academia, visitar um cliente, e ainda se ter tempo de discutir as metas do dia seguinte com seus chefes e equipes.

A sociedade atual, encontra-se bem sujeita a uma falência sentimental por completa inanição do romance, promovendo a masturbação tecno-virtual, pela busca do isolamento voluntário, equivocadamente considerando que seu Ego basta.

Texto Complementar de Arnaldo Jabor _ RJ

Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos.
Chegam sozinhas e saem sozinhas.
Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos!
Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes.
Os novíssimos “personal dancer”, incrível.
E não é só sexo não, se fosse, era resolvido fácil, alguém duvída?
Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber
carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão “apenas” dormir abraçados.
Sabe essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega.
Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção.
Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a “sentir”, só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão
distante de nós.
Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de
relacionamentos ORKUT, FACEBOOK, TWITTER e outros, o número de comunidades como: “Quero Um Amor Prá Vida Toda!”, “Eu Sou Prá Casar!”, “Antes Só”, “Desesperançada”, “Nasci Prá Ser Sozinho”, etc.
Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, insensíveis, plásticos, quase téreos e inacessíveis.
Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos.
Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário, prá chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa.
Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio,
démodé, brega, cafona, esquisito.
Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer
ridículos, abobalhados, e daí?
Seja ridículo, não seja frustrado, “pague mico”, saia gritando e
falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso à dois.
Quem disse que ser adulto é ser ranzinza?
Um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele.
Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o
dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser
estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: “vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem sabe os dois, vão querer pular fora.
Mas se eu não pedir que fique comigo tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida”.

Antes idiota, que infeliz!


“Saudações Cariocas e Niteroienses, com sangue paraibano.”

domingo, 4 de dezembro de 2011

Barra da Tijuca, Rio de Janeiro-RJ

Texto de Antonio Claudio Maia – Correspondente carioca do Blog da Ana Clara Maia

Implantação do projeto de adaptação da Avenida Ayrton Senna, com a criação do novo corredor viário Transcarioca, ligando simultaneamente a região oceânica com as zonas sul e norte da cidade, e subúrbios via Linha Amarela.

A Barra da Tijuca, indiscutivelmente é um dos lugares mais valorizados por metro quadrado do mundo, passei boa parte da minha juventude desfrutando do mar da Barra, namorando em suas areias, indo ao autódromo do Rio ver as corridas dos primórdios da StockCar, ver as decolagens de para-pente e os vôos de asa delta, pescando em noites de lua cheia na praia ou na Lagoa de Marapendi.

A modernidade urbana, num forte galope com a construção civil tomaram conta do lugar, tanto para construções habitacionais quase que exclusivamente para a classe A, como também para as construções comerciais de todos os ramos, shoppings gigantescos foram criados bastante semelhantes ao que vemos em Las Vegas, no estado de Nevada nos EUA, a fim de atrair o comércio com público vindo de todas as localidades do Rio de Janeiro, das cidades metropolitanas como Niterói, e principalmente turistas brasileiros e estrangeiros

A Barra da Tijuca possuí quatro principais entradas e saídas, que não mais estavam suportando o volume de tráfego que aflui ao lugar. Um trajeto Niterói-Barra que levava em média 30 minutos, de cinco anos para cá passou a levar de 2 a 3 horas no trânsito.

Sendo a Avenida Ayrton Senna a principal e mais moderna das quatro vias de acesso existentes, tornava-se mais do que necessário passar por uma reengenharia de tráfego que possibilitasse um maior número de veículos com a fluidez necessária e exigida por seus moradores e freqüentadores. Isso tudo sem esquecermos da manutenção das reservas de mangues e matas atlânticas do lugar, possibilitando uma coexistência harmônica com as características naturais das reservas ambientais.

A criação do corredor viário denominado de Transcarioca veio a muito bom tempo ser implementado na Avenida Ayrton Senna, dando mais alma ao lugar e com condições satisfatórias de acesso a um dos cartões postais do Rio de Janeiro.

Segue em anexo, uma explanação em filme de como ficará a nova via de acesso à Barra da Tijuca, curta a modernidade carioca.

Um gostinho de água na boca para você que conhece a Areia daí, venha conhecer um pouquinho da areia de cá.

www.youtube.com/embed/ASJeMAPWb6A
(Copie este link na linha de endereços de seu navegador)


"Saudações cariocas e niteroienses com sangue paraibano.”

sábado, 3 de dezembro de 2011

Rumo à cultura!

A comissão organizadora do Ponto de Cultura História e Estórias de Pilões começa o trabalho de coleta de informações com entrevistas às pessoas selecionadas e que, de alguma forma são interessantes para a metodologia do projeto.
Veja mais em:
http://historiaeestoriasdepiloes.blogspot.com/

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A sedentária e a montanha.


por Ana Clara Maia


Sou oficialmente sedentária. Passo cerca de 12 horas por dia na frente do computador. Atualmente, não faço caminhada, não frequento academia. Meu exercício é intelectual, aliás, nessa área trabalho muito.
Pois bem, além do meu trabalho na secretaria de cultura de  Areia, também coordeno o Ponto de Cultura de Pilões. O projeto do Ponto é encontrar os contadores de história, ouvi-los e transformar essas histórias em livros e documentários.
Nisso de ouvir as histórias, uma surgiu muito forte nas entrevistas, que é a da Pedra do Cruzeiro, com todas as lendas que a envolve. A equipe decidiu conhecer a Pedra e eu fui junto, sem imaginar o que significava descer a Pedra.
Durante a reunião de planejamento, Rafael, que conhece a Pedra como conhece sua casa, nos disse que subiríamos de carro até bem perto do alto, onde tem a capela, a casa dos ex-votos e o Pé de Cristo. Segundo a lenda local, essa marca de um pé incrustada na pedra é a marca do pé de Cristo e, a pessoa que conseguir encaixar seu pé na marca estará salva, caso contrário irá para qualquer lugar, após a morte, menos para o céu. Depois de visitar o alto da Pedra desceríamos pela trilha até duas locas que também despertam o imaginário local.
Pois bem, acordamos no domingo bem cedo, passamos pela feira livre para colher alguns depoimentos, subimos no carro e partimos rumo à famosa Pedra. O carro chega até bem perto do alto, no verão. Chegamos à Pedra com 5 minutos de caminhada ladeira à cima. A vista é realmente de tirar o fôlego. Eu visitei a capela, a casa dos ex-votos e fui testar minha ida para o céu. Meu pé encaixou direitinho no pé de Cristo, coisa que me deixou muito feliz pois, ali estava a prova que meus pecados não eram tantos assim. Olhamos a vista, fotografamos tudo e Rafael avisou que estava na hora de começarmos a descida.




Toda satisfeita, sigo junto com o grupo, afinal descer é fácil, difícil é subir uma montanha.
De início realmente foi bem fácil. Seguimos por uma estrada larga, passamos por uma plantação de batatas e chegamos à cacimba que nos forneceu água fresca. Em seguida, enveredamos por uma trilha de mata fechada. Foi aí que a dificuldade começou.






No meio da mata as pedras surgiram. Algumas imensas, majestosas, que tivemos que contornar, outras, pequenas, pontiagudas, escorregadias, que tivemos que escalar. Não levamos cordas e alguns tombos foram inevitáveis. A maioria meus, claro! Antes de chegar na Loca dos Americanos caí duas vezes. A primeira no meio das pedras onde torci o pulso, a segunda em um caminho de folhas secas, que decidi utilizar, para não ter que pular de pedra em pedra. As folhas secas, umas por cima das outras escorregam feito sabão. Quando pensei que, já estava no chão. Alguns xingamentos foram inevitáveis. Quem me conhece sabe. Levantei, recompus minha dignidade e segui em frente, com o apoio da mão de Paulo Roberto. 





Enfim, chegamos na primeira loca, a dos Americanos. Contam os antigos que alguns americanos passaram um bom tempo nessa loca procurando pedras preciosas. Não encontraram nada e foram embora. O lugar é lindo e assustador para alguém como eu, que não está acostumada a lidar com morcegos e maribondos. Os maribondos deram uma surra em Paulo Roberto, nosso cinegrafista, quando ele tentava colher um mamão. Aliás, devo dizer que os americanos não passaram fome por ali, pois o lugar tem muita manga, jaca, laranja, cajú, mamão, fava e muito mais. 






Com Paulo Roberto refeito das picadas, seguimos em direção a Loca do Major. Inocentemente achei que ficava ali por perto. Que nada! Haja caminhada. Sobe pedra, desce pedra, se arranha nos matos, conseguimos chegar em uma fonte de água cristalina, onde Rafael, que parecia mais um cabrito montês pulando de uma pedra para outra durante todo o percurso, escorrega nas pedras molhadas e vai ao chão. Recuperados e refrescados, pegamos novamente a trilha e conseguimos finalmente chegar na Loca do Major. Nesse ponto, minhas pernas já não obedeciam ao comando do meu cérebro e eu só pensava em chegar onde o carro nos esperava. Visitado, fotografado e registrado o esconderijo dos antigos Majores da região, finalmente pegamos a trilha que nos levou direto para o pé da bendita montanha! 


Estou aqui agora, um dia depois dessa maratona, sem conseguir dar um só passo.

sábado, 26 de novembro de 2011

De Niterói para Areia


Visão do Parque da Cidade

Um texto de Antonio Claudio Maia
Correspondente carioca do Blog da Ana Clara Maia
    
A cidade de Niterói completou em 22 de novembro seus 438 anos de existência, já tendo sido capital do antigo Estado do Rio de Janeiro, quando o estado da Guanabara ainda existia, e que perdurou até o ano de 1975.
Após a fusão dos dois estados, da Guanabara e do Rio de Janeiro, a federação passou a ter um único estado, o novo Estado do Rio de Janeiro, que absorveu todos os municípios dos dois anteriores.
Campo de São Bento

Entardecer em Niterói com Rio de Janeiro ao fundo
Diante desse novo quadro sócio-político-geográfico e demográfico, pelo menos uns quinze anos se passaram até que se finalizasse uma unificação real a nível cultural e burocrático, e os cidadãos começarem a aceitar a nova realidade.

O chamado “carioca da gema”, denominação das pessoas nascidas no extinto Estado da Guanabara, passou a ser somente “carioca” para os naturais da atual capital do Estado do Rio de Janeiro, o  que é o meu caso.
Os “fluminenses”, pessoas naturais do antigo estado do Rio de Janeiro, passaram a ser denominadas mediante suas cidades de origem na estrutura do novo estado, e no caso dos nascidos em Niterói, de  niteroienses.
MAC - Museu de Arte Contemporânea



A cidade de Niterói é predominantemente litorânea, com muitas praias de baía, e lindíssimas praias oceânicas com altíssimo apelo ao turismo, náutica, esportes de areia, e promover a integração social através de projetos musicais na orla.
No último dia 22 de novembro, dia do aniversário de Niterói,  fomos brindados com um show ao vivo do Ney Matogrosso nas areias da Praia de Icaraí, mas em outros tantos momentos recebemos Lenine, Zeca Pagodinho, Alcione, Maria Rita, Geraldinho Azevedo,  e outros tantos bambas da MPB, pois aqui tudo é motivo para festejar.

Praia de Icaraí

Surf na Praia de Piratininga

Costão de Itacoatiara
Outro apelo popular que tomou conta da cidade foi a recente Parada Gay, que já realizou três edições, reunindo o público mais diversificado possível, vindos de todos os cantos do Brasil, e demonstrando um perfil de evento de massa generalizado, não mais sendo exclusividade do público GLBTS, sem deixar faltar é claro o perfil e a irreverência de cada segmento e o apelo político necessário pelas conquistas sociais.

Na orla de baía, Niterói se destaca pela indústria naval e na construção civil, bastante aquecidas pelas metas empreendedoras principalmente do governo estadual. Aquecimento esse que se refletirá mais ainda nas estatísticas econômicas com a implantação do Pólo Petroquímico do Rio de Janeiro, que será instalado na cidade vizinha de São Gonçalo, devendo atrair uma média de 250 mil técnicos vindos de todo o Brasil, em sua grande maioria com suas famílias, o que vai exigir um esforço integrado das cidades periféricas em poder absorver essa massa de pessoas que aqui aportarão, e a necessidade de investimentos secundários nas áreas de habitação, saúde, educação, transportes coletivos, prestação de serviços, melhoria das vias de acesso e de escoamento da produção petroquímica.

Túnel da Estação Hidroviária da Charitas

Túnel da Estação Hidroviária da Charitas
Niterói tem um IDH mais bem distribuído do país segundo os institutos de aferição demográfica e sócio-econômica, sua população atual beira meio milhão de habitantes, considerado o terceiro lugar de melhor qualidade de vida no Brasil, com 90% de sua renda distribuída nas classes A, B e C, o que torna uma das cidades mais ricas do Brasil.
Não fosse pela vizinha cidade do Rio de Janeiro, Niterói com certeza seria melhor aproveitada em investimentos em sua topografia objetivando o turismo, tão linda que culminou com o título de “Cidade Sorriso” já há alguns anos.
Você também pode chamá-la carinhosamente de “NIKITI”, igualmente seus jovens.

A educação é outro ponto de referência da cidade, Niterói sedia o campus da UFF – Universidade Federal Fluminense, e de outras tantas instituições de ensino superior da iniciativa privada. Sua corrente política é de esquerda, se revezando na administração municipal o PT e o PDT, que privilegiam consideravelmente a educação.
Aqui não basta se ter um secretário de educação, Niterói faz questão de despontar mais no cenário dos ensinos fundamental, médio e superior através de sua Fundação Municipal de Educação, que mantém aquecidas as metas federais de aprendizado inclusivo, sendo pioneira da participação de portadores de patologias como paralisia cerebral e Síndrome de Down nas mesmas salas de aula dos demais alunos, sob a execução dessas metas pelo governo municipal.

Distante da capital do estado por apenas 15 quilômetros, você pode chegar ao centro do Rio de Janeiro através da Ponte Rio-Niterói, ou através de catamarãs que caracterizam o transporte hidroviário na Baía de Guanabara, tendo os dois transportes uma média de 20 minutos de trajeto. Estar em Niterói é estar no Rio de Janeiro, as atividades e a cultura se mesclam numa harmônica, produtiva e saudável vizinhança.

Com uma temperatura média na casa dos 28º, não há como escapar de uma boa parada na infinidade de bares e restaurantes que funcionam dia e noite, onde se senta, se confraterniza, e bebe-se um chopp bem gelado, principalmente nos dias de sexta-feira e sábado. Não há como deixar de apreciar um bom teatro, peças aqui é o que não faltam, ver um bom filme nas salas de exibição de cinema, passear nos shoppings onde você anda e anda com lojas por todos os lados, se gasta as vezes 25 minutos de ponta a ponta de tão grandes que são,  e os mais variados modelos de arte e cultura, recantos e paisagens espalhados pela cidade.
Niterói, igualmente o Rio, não tem esquina sem samba ou pagode, aqui é difícil ficar parado, nem eu mesmo sei como estou conseguindo ficar aqui sentado relatando isso para vocês aí de Areia.

Mas, me sinto bastante gratificado de poder passar um pouco daqui da minha cidade de Niterói para vocês, cidade onde escolhi viver e constituir família, na realidade sou carioca, carioca da gema, da capital do Rio de Janeiro, mas não troco Niterói por lugar nenhum nesse país ou no mundo.
Entretanto, o carinho que sinto por Niterói e Areia foi que me motivou a dividir essas informações com vocês, adoro esse brejo.


                 Saudações cariocas e niteroienses com sangue paraibano.

sábado, 19 de novembro de 2011

UEPB publica edital para concurso de servidores.



A Universidade Estadual da Paraíba publicou o Edital de Concurso para provimento de 279 vagas para pessoal do corpo técnico-administrativo nos níveis fundamental, médio e superior. As inscrições estarão abertas de 28 de novembro a 07 de janeiro de 2012.
O endereço para a inscrição é: http://www.paqtc.org.br.
As vagas estão distribuídas da seguinte forma:
- 27 vagas para o nível fundamental;
- 201 para ensino médio e;
- 51 para o nível superior.
As provas acontecerão no dia 12 de fevereiro de 2012. A divulgação do resultado final deverá sair entre março e abril do próximo ano.

As vagas para nível fundamental são de Carpinteiro, Eletricista, Encanador, Mestre de Obra, Auxiliar de Laboratório: Análises Clínicas, Operador de centro telefônico: Telefonista, Auxiliar de Cozinheiro, Auxiliar de Laboratório de Análises Físico-Química.
Os Vencimentos Bases são de R$ 1.134,54 a R$ 1.274,77.

As vagas para nível médio são de Almoxarife, Assistente Administrativo, Atendente de Consultório Dentário, Auxiliar de Serviços Bibliotecários, Operador de Máquinas Agrícolas: Tratorista, Técnico em Contabilidade, Técnico em Informática: Manutenção, Instalação e Programador, Técnico de Enfermagem, Técnico em Agropecuária, Técnico em Segurança do Trabalho, Técnico em Laboratório: Análise Clínica, Biologia, Bioquímica, Esterilização, Estúdio e Multimídia, Histopatologia, Microbiologia, Química, Radiologia, Anatomia, Prótese Dentária, Genética e Física.
Os salários vão de R$ 2.031,79 a R$ 2.282,92.

As vagas para nível superior são de Administrador, Advogado, Analista de Sistemas: Desenvolvimento de Sistema de Informação, Arquiteto, Arquivista, Assistente Social, Bibliotecário, Comunicólogo, Contador, Design: Promocional, Engenheiro Civil, Engenheiro Elétrico, Nutricionista, Pedagogo, Químico, Psicólogo Organizacional, Secretário Executivo.
O Salário Base é de R$ 2.882,13.

A taxa de inscrição é de R$ 40,00 para cargo de nível fundamental; R$ 55,00 para cargo de nível médio, R$ 65,00 para cargo técnico de nível médio, e R$ 90,00 para cargo de nível superior.
O conteúdo programático consta no Edital.

sábado, 5 de novembro de 2011

Estão abertas as inscrições para o Vestibular da UFPB Virtual




Mais informações:
http://portal.virtual.ufpb.br/wordpress/vestibular/vestibular-2012/

Programação do Encontro da Família Gouveia – Azevedo Maia e Amigos

Colégio Estadual Min. José Américo de Almeida



DATA: 09 (sexta) de dezembro de 2011 
LOCAL: Areia / PB
Restaurante Villa de Areia (Carlos Barreto e Raimunda), em frente ao Colégio Estadual.
HORÁRIO: Noite
As despesas serão por conta de cada um.

DATA: 10 (sábado) de dezembro de 2011
LOCAL: Areia / PB
Restaurante Villa de Areia (Carlos Barreto e Raimunda), em frente ao Colégio Estadual.
HORÁRIO: Fechado para o evento à partir do meio-dia.
Será cobrado na entrada do restaurante, o valor de R$ 35,00 por pessoa. Nesse valor está incluído o almoço (self service), sobremesa, água mineral, gelo, refrigerante e um café da tarde.
A bebida alcoólica fica por conta dos participantes.

Música: Teclado com Neném e, participação dos músicos da família e amigos. Por isso, tragam seus instrumentos musicais e, os cantores, temperem a garganta.

Sua presença é muito importante!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

O Chá dos Acadêmicos



A Academia de Letras de Areia foi fundada com muita emoção e alegria. Os Acadêmicos, depois das solenidades de praxe, participaram do 1o Chá da Casa de Horácio de Almeida.









Edésio Maia, Janaína Azevedo e Claudio Antun Maia
Istra Barbosa, Lêda Maria e Zezé Vasconcelos
Valberto Cardoso, Janice Oliveira, Raffael Lima e Janaína Azevedo
Zezé Vasconcelos e Ana Clara Maia
Carlos Azevedo, Zélia Almeida, Janaína Azevedo e Tarcísio Laureano

Istra Barbosa foi a responsável pelo magnífico buffet.